Crítica | Rookie Blue 6ª Temporada


Rookie Blue é uma das poucas séries policiais que ainda acompanho depois do desastre psicológico que foram todas as edições de CSI. Depois de sempre passar pelas mesmas situações e só mudando um pouco os personagens eu cansei de tanto crime e acabei deixando de lado esse tipo de série. Até que apareceu Aquarius e claro a já mencionada Rookie Blue.

Como o blog começou esse ano e já venho acompanhando a série desde o ano passado vou resumir um pouco de tudo que aconteceu até essa sexta temporada que demorou a chegar, mas foi embora em um piscar de olhos.

A série tem cinco personagens principais, e dentro desses cinco está Andy McNally, a protagonista da série. Os cinco fizeram parte da mesma turma para formação na academia de polícia e começaram juntos a exercer a função na 15th Divison.

Muita coisa aconteceu desde a primeira temporada quando Andy prende Sam em uma perseguição policial e só quando chega a delegacia é que descobre que ele é um detetive disfarçado e se sente uma completa idiota de ter feito o que fez.

Dov Epstein é um dos outros cinco novatos, e é aquele o certinho da turma, que entrou na policia com as melhores intenções, e claro com os melhores objetivos. Chris Diáz ao contrário de Dov é o bobo da corte entre os cinco. Sempre brincando e levando a profissão com uma aventura, ele nos rende boas gargalhadas com seu jeito fofo e atrapalhado.

Gail Peck é a mais arrogante e ao mesmo tempo a mais sensível do grupo, sempre se protegendo atrás de sua arrogância, Gail acaba se mostrando uma apaixonada, com um coração frágil, nada que possamos perceber enquanto ela maltrata Chris e Doc constantemente. E pra finalizar temos Trace Nash, mãe solteira de Leo que faz tudo pra que seu filho tenha uma vida agradável. Já no começo da série vemos sua dedicação com a profissão o que a torna não muito tempo depois uma ótima detetive.
A quinta temporada terminou com corações despedaçados, inclusive os nossos, afinal a explosão que destruiu boa parte da 15th Division nos deixou apreensivos e sem saber se alguém importante havia ido embora. Além disso, Gail ficou mais uma vez sozinha, quando pensávamos que as coisas dariam certo. Chris terminou melhor do que antes e se recuperando aos poucos de seu vício. Dov também deixou nossos corações tristes depois que desistiu de Chloe. Fora tudo isso Andy quase morreu na explosão e Trace estava como sempre na loucura de descobrir algo sobre alguma coisa.

A sexta temporada começou relativamente bem, com Andy e Sam curtindo suas férias de três semanas longe de todos em uma cabana, mas como já estão acabando as tais férias logo eles estão de volta a 15th Division junto com resto da equipe.

Rookie Blue tem seus episódios divididos por casos, como a maioria das séries policiais, porém, na trama sempre existe algo maior que vai se desenrolando no decorrer dos episódios, no caso dessa sexta temporada o grande caso foi sobre a bomba da quinta temporada.

Gail anda vivendo uma loucura em sua tentativa de adotar uma garotinha, e Chris se meteu em uma bela enrascada se envolvendo com uma mulher casada que não faz a mínima idéia de quem seja o marido. Dov participa ativamente das investigações com relação a explosão junto com Marlo, ex-mulher de Sam, e investigadora da inteligência.

Andy vive em seu mundinho, fazendo suas aparições heróicas em cada episódio, e vivendo seu conto de fadas com Sam, enquanto Trace anda mais dedicada que nunca, se preparando para sua primeira batida.
A série chegou aquele ponto que sinceramente, não tem mais pra onde ir. Certo que se continuar dando a audiência que eles querem vão continuar até o ponto de se tornar uma Grey’s Anatomy, a série que nunca acaba.

Mas a grande diferença de Rookie Blue para outras séries é que mesmo que a história esteja se afunilando cada vez mais, as temporadas não chegam a 15 episódios, o que poupa nossa vida. E em relação a séries policiais ela não é como CSI que foca no trabalho forense, ela foca mais no dia a dia dos policiais, o que muda muito o rumo das coisas.

Muita coisa foi revelada nessa temporada e podemos esperar a saída de muito personagem, o que relativamente é bom, se observamos o fato de que os dois que provavelmente não irão voltar, já não faziam tanta diferença.

Agora só me resta esperar pra saber se na próxima temporada coisas mais interessantes irão acontecer, porque focar só na Andy está deixando a série muito desgastante e cada vez mais sem história. Pode-se muito bem explorar personagens como Dov que assume muito bem o seu posto quando é usado de forma correta, assim como Gail que é uma personagem chave quando querem assim.

Então é isso, próxima temporada espero eu poder fazer a crítica por episódio assim como venho fazendo na sexta temporada de Pretty Little Liars. 

Share this:

Postar um comentário

 
Copyright © Free Time. Designed by OddThemes