Resenha | Joyland - Stephen King




"Essa primeira mágoa é sempre a mais dolorosa, a que demora mais para cicatrizar e a que deixa a cicatriz mais visível"

Stephen King é o autor que você se propõe a ler sabendo que alguma lição sairá dali, junto a algum tipo de trauma ocasionado pela trama traçada por ele. Joyland não foge desse padrão, mas em relação aos traumas, bem, eu não pretendo subir em uma roda-gigante no restante da minha vida.

Conhecido como o mestre do terror, Stephen King também é fã de romances policiais, e já tem publicado o livro The Colorado Kid. Joyland é sua segunda obra no gênero policial e o mais próximo que King já chegou de um romance.

Devin Jones é um universitário de 21 anos que foi deixado pela namorada e precisa de dinheiro para pagar as despesas da universidade, pra isso ele vai até Joyland, um parque de diversões que está contratando funcionários para o verão. Dev é contratado e junto com ele outros vários universitários precisando do dinheiro.

"Você pensa “Tudo bem, entendi, estou preparado para o pior”, mas guarda aquela pequena esperança, sabe, e é isso que fode tudo. É isso que mata você"

Antes mesmo de começar a trabalhar, Dev é informado que existe um fantasma no Horror House, o trem fantasma do parque. Esse fantasma pertence a uma garota que foi assassinada lá dentro anos antes. Depois de receber a informação, Dev fica empolgado em ver o tal fantasma, até se dá conta que está investigando o que aconteceu a vítima.

Além do assassinato, King cria um ambiente com personagens bem desenvolvidos, fazendo a trama girar de uma forma magnífica e deixando o tal assassinato como um plano de fundo para ser resolvido em algum outro momento.

Referências também não faltam, já que nosso protagonista é um fã de O Senhor dos Anéis, e uma frase deixada na sala de um antigo professor informando que o mesmo havia deixado de lecionar naquela universidade para lecionar na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts.

"Quando se trata do passado, todo mundo escreve ficção"

É verdade que Stephen King é meu autor favorito e que passaria dias tecendo uma teia infinita de elogios sobre ele. Mas a verdade é que esse livro foi um dos mais surpreendentes já escritos por ele, e não apenas pela revelação no final da trama, mas por tudo que aprendi caminhando ao lado de Dev.

Joyland vai te trazer arrepios algumas vezes, vai te roubar sorrisos em outros, mas no final tudo que você vai lembrar é daquela praia, e daquele dia no parque, o dia que vai te fazer sorrir mesmo nos piores momentos.
  
"Em um mundo triste e sombrio, somos uma verdadeira ilha de felicidade"

Share this:

Postar um comentário

 
Copyright © Free Time. Designed by OddThemes